terça-feira, 21 de maio de 2019

Geo-política da Eurovisão

Os dados das votações no Festival da Eurovisão revelam aspectos muito interessantes das relações entre os países, desde a simples simpatia entre eles até trocas obscuras de votos, como ainda se viu no último festival em Israel.
Esses dados estão disponibilizados por exemplo no site data.world, voto a voto, país a país, de 1975 a 2019.
Neste pequeno estudo, utilizei apenas as votações dos júris nas finais (ultimamente passou a haver duas meias finais, e voto popular), considerando todos os votos que cada país atribuiu a cada um dos outros, tendo obtido o grafo seguinte:


Neste grafo, o tamanho de cada vértice é proporcional ao número de votos recebido por cada país, e o seu posicionamento foi obtido utilizando um algoritmo de forças disponível no programa Gephi, que aproxima os vértices entre os quais as relações são mais intensas.
A Suécia foi o país que mais votos acumulou nestes 45 anos, e Andorra nunca recebeu um único voto...
As cores correspondem às três classes de modularidade descobertas pelo programa Gephi, que curiosamente dão uma leitura geo-política interessante: a laranja a velha Europa, a verde os países nórdicos, e a roxo a Europa de leste, com as suas excepções, naturalmente.
Ou não fosse esta análise essencialmente social.
[coloquei uma imagem de maior resolução aqui]

Sem comentários:

Publicar um comentário